sexta-feira, 29 de abril de 2011

OAB Entra no Caso do Lixão de Marituba

Agora não são apenas populares, lideranças ou políticos sem mandatos, pois os com mandato até agora não se pronunciaram, agora é a OAB, através do Seu presidente da Comissão de Meio Ambiente, Zé Carlos Lima, que entrou na Briga contra o Lixão, algo que os defensores do Lixão não esperavam, a própria empresa " Revita que é ligada a holding Solví" ao saber que a OAB e Zé Carlos iriam participar da Audiência, resolveu cancelar, fato esse, segundo uma funcionária da empresa, porque não tinham todos os documentos e dados para a Audiência.
Isso significa dizer que os organizadores do Encontro, FAMEP, SEMA, P.M.M. e Revita simplesmente estavam preparados para um público leigo e pouco informado sobre o tema, e não para alguém do cacife de Zé Carlos, que junto com a OAB, não pode barrar, mais atrasar em muito a execução de um projeto danoso como esse.
Para exemplificar, funcionários da Revita estiveram no bairros onde será instalada a Uzina, e simplesmente encheram de promessas os moradores da área, agora é importante lembrar que para se instalar um presidio em Marituba, o Governo do estado também fez promessas semelhantes e até agora nada foi cumprido, outro detalhe importante é que o Lixão do Aurá fica bem na divisa de Ananindeua e Marituba, e há um forte indicio que o lixão contaminou os lençóis do Bairro do Pato Macho, mas até hoje Marituba nunca recebeu nenhuma compensação por isso, ou seja, serão promessas vazias que nunca serão cumpridas.


Agora o Blog faz aqui alguns alertas

1º Ponha no SITE do TSE o Nome REVITA, e você vai ver que essa empresa financia milhares de campanhas eleitorais em todo o Brasil.

2º É importante entender quem realmente vai ganhar com esse projeto, pois podem ter certeza alguém vai ganhar e muito com isso, uma empresa não vai de graça instalar uma Usina de Reciclagem e de compostagem de lixo só porque gosta e ama Marituba.

3º O Governo do Estado está por trás disso tudo, é o presente que Simão Jatene da ao povo de Marituba, por ter vencido a eleição aqui na cidade. Com a palavra os que apoiaram Jatene (Mário Filho, Mello, BC e A3)

4ª O que dizem nossos dignificos vereadores sobre isso, Vereadora Chica o que fala sobre o tema, tendo em vista que sua base eleitoral se concentra justamente nos bairro afetados pelo Lixão.

5ª Caso o projeto seja executado, serão 140 caminhões de lixo por dia despejados em Marituba, ou seja, uma média de 01 caminhão a cada 10 minutos durante 24 horas por dia, todos os dias da semana.

O primeiro passo e movimento contrário foi dado pelo Partido verde da Cidade através de FRED e JHONY, que juntos com Elivan, reuniram cerca de 1000 pessoas, entre lideranças e populares no Mangueirão do Samba na BR no último dia 28/04 as 19:00, em uma espécie de reunião preparatória para a Audiência Pública, o que ninguém contava era com a Presença de Zé Carlos Lima no encontro e na Audiência que acabou não ocorrendo.
Segundo Elivan, o movimento "Não ao Lixão" é supra partidário e todos aqueles que amam Marituba de verdade devem aderir ao Movimento, ou terão o risco de serem taxados como "pessoas ingratas ao município."
Para Jhony Santos, a posição do PV de Marituba será sempre pela defesa do Meio Ambiente e acima de tudo das pessoas, por isso o PV de forma oficial será contra esse projeto.
Já FRED, colocou bem claro que Marituba tem a menor Área do pará, e o espaço em que se instalaria este lixão poderia ser usado para outro fim, como um parque ecológico.
O Professor Doutorando Jean, em sua fala, colocou que esse projeto de maneira nenhuma é bom para o município, e levantou uma série de dados técnicos que justificam essa tese.
Veja o que Zé Carlos Lima publicou em seu BLOG

Lixo em Marituba – Audiência Cancelada

sexta-feira, 29 de abril de 2011

cancelamento da audiência 3
Nesta sexta-feira, 29.04, as pessoas e entidades convidadas para uma 
audiência pública que discutiria o Relatório de Impacto Ambiental do Aterro 
Sanitário da Região Metropolitana de Belém, a ser construído em Marituba 
pela empresa Revita foram surpreendido ao chegarem no Salão Paroquial 
da Igreja Menino Jesus e encontrarem uma faixa e um ofício comunicando 
o adiamento da audiência.
A faixa e o aviso do adiamento foram afixados as 22h00 do dia anterior. 
Na porta apenas um funcionário da empresa, Paulo Lúcio Lopes Leal,
 que por mim interrogado, explicou que o adiamento foi solicitado 
por causa de problemas em alguns documentos e que a nova audiência 
seria realizada em trinta dias.  Nem uma dirigente da Sema esteve por lá
 para dar uma explicação a população.
A empresa Revita é ligada a holding Solví que tem entre suas 
integrantes a Vega Engenharia Ambiental S.A., uma forte e tradicional 
doadora de campanhas eleitorais municipais.
O RIMA distribuído pela empresa é muito superficial e incompleto. 
Se retiramos as citações, os termos técnicos, as fotos e os mapas 
sobrará muito pouco para ser considerado um Relatório de 
Impacto Ambiental proveniente de um EIA sério. Ao ler documento, 
colecionei falhas e dúvidas que devem ser explicadas antes de
 qualquer apreciação apenas pelo viés stricto ambiental .
1. Falta de informações sobre o arranjo econômico do projeto:
 Nas noventa e sete páginas (gastaram poucos palavras para um
 projeto de R$ 19 milhões) do RIMA não se encontra uma só 
linha dedicada a explicar a parte econômica do projeto. 
Ninguém sabe quem pagará a conta e quem lucrará e se 
o aterro sanitário tem viabilidade econômica. Estes são 
aspectos importantes, pois é o que vai garantir que nos 
quinze anos de vida útil o aterro sanitário funcionará 
conforme o projetado.
2. O estudo deve demonstrar que o aterro sanitário 
privado não será um mecanismo de monopólio da coleta 
e tratamento do lixo de toda região metropolitana;
3. O aterro ficará localizado a 4 km da Alça Viária e utilizará 
a rodovia estudual, por onde circulará 116 caminhões de lixo 
todos os dias, mas não existe qualquer menção ao estudo de 
carga e de trâfego da via principal, muito menos da estrada 
secundária que dará acesso a Usina de Triagem e compostagem;
4. o Aterro Sanitário receberá resíduos domiciliares, resíduos de 
poda e capina, resíduos de varrição e limpeza de feiras livres. 
Porém não se encontra em todas as 97 páginas do relatório 
uma só referência a coleta. Quem vai coletar? Como vai coletar? 
Haverá uma primeira separação do lixo na coleta? Quem 
orientará esta seperação? Quanto será pago a tonelagem?
5. O RIMA deixa de detalhar o tratamento de Líquidos Percolados 
(Chorume) da “Lagoa de Acumulação” antes de ser despejado no
 igarapé que faz parte da bacia hidrográfica do Uriboca; e
6. É insuficiente o tratamento dado as medidas para evitar a 
contaminação do lençol freático, que nesta região é muito superfcial.
Postado por José Carlos Lima 


AVALIAÇÃO

2 comentários:

  1. MORADORES E ELEITORES DE MARITUBA OBSERVEM QUANTOS VEREADORES
    PARTICIPARAM DA AUDIÊNCIA PUBLICA SOBRE O LIXÃO OU USINA DE RECICLAGEM.

    90%PORCENTO DOS VEREADORES FALTARAM A REUNIÃO REALIZADA NO SALÃO PAROQUIAL, APENAS O VEREADOR SALIM ESTAVA PRESENTE.

    OS DEMAIS VEREADORES NÃO FORAM PORQUE JÁ PEGARAM A PONTA ESTÃO
    COM O BOLSO CHEIO. ( NAS PROXIMAS ELEIÇÕES NÃO VENDA O SEU VOTO )

    ResponderExcluir
  2. Que bom essa manifestação. Isso significa que a população Maritubense está atenta. Já não bastasse a quantidade de cemitérios que temos, agora ainda nos vem lixo de outras cidades. Se já temos que comprar água para tomarmos e preparar nossos alimentos, se aceitarmos mas essa pouca vergonha, vamos ter que comprar água até para tomar banho.

    ResponderExcluir