terça-feira, 18 de outubro de 2011

Crimes por encomenda, crimes sem solução??

José de Arimatéia é um simbolo de luta em Marituba, até agora seu assassinato está sem solução, a policia não tem pistas dos assassinos, dos possíveis mandantes e dos motivos que motivaram essa barbárie, o Advogado José Carlos Lima da destaque para o caso em seu Blog: leia:


Grupo de extermínio na Grande Belém

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Sempre falei que havia um grupo de extermino agindo na Região Metropolitana de Belém, mas até agora a Segurança Pública não age para desbaratar e prender essa quadrilha. O método é o mesmo, duas ou três pessoas de moto surpreende a vítima e fazem certeiros disparos, depois saem tranquilos, a Polícia chamada ao local dá ao caso a explicação de acerto de contas do tráfico ou de assaltos. Geralmente o caso nem é registrado, não tem inquérito policial aberto e não vai para as estatísticas de violência.
Matam bandidos, matam suspeitos, fazem justiça com as próprias mãos desmoralizando o aparato de segurança pública e o Poder Judiciário, mas também matam inocentes com foi o caso do Pastor Arimatéia, o Tio Chiclete, um palhaço animador de festas infantis e líder comunitário.
Só neste final de semana, apenas os crimes que tiveram cobertura jornalísticas, contei seis execuções. No sábado um jovem foi morto na frente da esposa e do filho em Marituba, na invasão Che Guevara e vai ficar por isso mesmo, os assassinos não vão ser presos e o crime não vai ser esclarecido.
Enquanto a polícia não desbaratar esse grupo de extermino, é bom ficar apreensivo quando duas pessoas de motos emparelhar com o seu carro pelas ruas de Belém, pois é certo que existem assassinos soltos matando impunemente na Região Metropolitana.
Para as pessoas que não tem atitudes e acham que não é como elas, que tal uma lida no poema abaixo?
“Primeiro vieram buscar os judeus e eu não me incomodei, porque não era judeu.
Depois levaram os comunistas e eu também não me importei, pois não era comunista.
Levaram os liberais e também encolhi os ombros. Nunca fui liberal.
Em seguida os católicos, mas eu era protestante.
Quando me vieram buscar, já não havia ninguém para me defender…”

- Martin Niemöller (1892-1984), sobre sua vida na Alemanha Nazista

AVALIAÇÃO

0 Comentários:

Postar um comentário