terça-feira, 5 de abril de 2011

Marituba na Mídia (ORM)


Buracos e atoleiros tomam conta de quase toda a rua da Cerâmica, em Marituba, região metropolitana de Belém. Em alguns trechos, apenas um carro consegue passar por vez na via. A pavimentação praticamente inexiste onde são formadas as depressões. A forte incidência de chuvas faz com que a água se acumule nesses locais, transformando-se em lama. Na manhã de segunda-feira (14), alguns moradores tentaram organizar um protesto a fim de cobrar alguma providência da Prefeitura.






O cobrador de ônibus Hélito Ronaldo Melo Lima, 43 anos, afirmou que um dos carros da empresa para a qual trabalha quase tomba na rua na semana passada. 'Quando chove, não conseguimos ver os buracos das ruas. Com isso, passagem fica complicada, quase intransitável', comentou. O trabalhador também disse que os buracos prejudicam os ônibus, já que a suspensão dos veículos fica comprometida com o tráfego diário pelo local.








O comerciante Antônio Sampaio, 32 anos, reside na rua da Cerâmica há 20 anos. Ele contou que a via era pavimentada antes, mas no começo deste ano ela foi esquecida pelo poder público. 'Já vi acidentes, mortes, pessoas que caíram e carros quebrados em função de todos esses buracos. Este ano parece que Marituba foi esquecida de vez pelos governantes', reclamou. O morador teme ainda pela segurança, uma vez que a dificuldade em passar em determinados techos pode facilitar a ação de bandidos.





Rapaz é executado em Marituba depois da partida de futebol





Um rapaz foi assassinado ontem à noite, depois de uma partida de futebol no bairro Almir Gabriel, em Marituba, na Região Metropolitana de Belém (RMB). Raimundo Sérgio Maia Santos, de 34 anos, estava em um bar com os amigos. Quando atravessava a rua para comprar um tacacá, foi atingido por disparos na cabeça. O crime ocorreu por volta das 17h30 de ontem, horário em que a rua estava bastante movimentada. Entretanto, moradores e pessoas que estavam nas proximidades não souberam - ou não quiseram - dar maiores informações sobre o fato.






Apesar do crime ter características de acerto de contas, o fato intrigou a equipe de policiais civis da Divisão de Homicídios (DH). Sérgio, como era conhecido, passava a semana em Ananindeua, trabalhando como vigilante, e aos finais de semana ia para Bragança, onde mora com a família. Entretanto, este final de semana ele não viajou e foi jogar uma partida de futebol com alguns conhecidos, em Marituba. À polícia, familiares disseram que ele não tinha envolvimento com drogas ou algo do tipo. 'As investigações terão que ser feitas tanto em Bragança, onde ele morava, quanto em Ananindeua, onde passava a semana. Várias hipóteses podem ser levantadas agora, como por exemplo, ele pode ter sido seguido. Mas o que motivou o crime, somente as investigações poderão mostrar', informou a investigadora Nagila, da DH.






A informação recebida pela polícia foi de que Sérgio estava no bar, na rua João Batista (a principal do bairro) e atravessava a rua para comprar tacacá, quando foi atingido na cabeça por disparos (a quantidade não foi divulgada). Ninguém soube informar com precisão como o assassino se aproximou da vítima. Alguns disseram que estava em uma moto, outros afirmaram que estava a pé. O caso tem registro na Seccional Urbana de Marituba, com investigações da DH.


Sete representam ao Ministério Público contra o prefeito de Marituba


   




 


Sete pessoas que concorreram a vereador, em Marituba, representaram ontem ao Ministério Público Estadual contra o prefeito do município, Bertoldo Couto. De acordo com as denúncias, ele teria falsificado as assinaturas dessas pessoas em recibos que anexou à sua prestação de contas de campanha. Hoje, o caso deverá ser levado ao conhecimento da Polícia Federal. As irregularidades na prestação de contas, se comprovadas, podem levar à cassação do prefeito.


Os denunciantes são Paulo Sérgio Ferreira, José Conceição Graça, Genevaldo Miranda Ribeiro, Maria Dalva Neves de Souza, Maria do Socorro Nascimento Leal e Ricardo Saraiva de Souza, todos do PHS; e Sílvio Lobato Monteiro, do PCdoB. Ambos os partidos integraram a coligação 'Uma Nova Esperança para o Futuro', que ajudou a eleger Bertoldo.


Nas declarações, os sete ex-candidatos garantem que jamais receberam qualquer ajuda, material ou financeira, de Bertoldo, conforme consta na prestação de contas de campanha dele. Além disso, garantem que são falsas as assinaturas existentes nesses recibos.


É isso o que afirma, por exemplo, Maria do Socorro Nascimento, que teria recebido pouco mais de R$ 800,00 de Bertoldo. Dividido em quatro recibos, o maior deles de R$ 500,00, o dinheiro teria servido para o pagamento de carro-som, criação de material de propaganda e aquisição de material de pintura. O problema é que Maria registrou em cartório declaração de que não recebeu rigorosamente nada do prefeito, na campanha do ano passado.



Só o Remo agiu para ter o CT
       


Há 10 dias, esta coluna denunciou Remo e Paysandu de estarem emperrando o processo pelo qual a Prefeitura de Marituba pretende beneficiá-los com doação de terreno para Centro de Treinamento, por não apresentarem documentação exigida. A denúncia pelo menos no Remo. Na semana passada, o presidente Sérgio Cabeça fez dois contatos com o secretário de obras de Marituba, Pedro Paulo Bezerra, e ficou de visitar o prefeito Bertoldo Couto esta semana para apresentar a documentação necessária e agilizar o processo de conquista da área (120 mil metros quadrados) às margens da estrada da Alça Viária, a quatro quilômetros da BR 316. O Paysandu, que tem a oferta de área igual, com a mesma localização, só vai agir esta semana. O presidente Luis Omar Pinheiro disse ontem ao colunista que vai à prefeitura de Marituba resolver o que estiver pendente para que o processo de doação possa fluir na Câmara Municipal.
         


Quem está agindo com maior interesse para obter uma área em Marituba e construir um Centro de Treinamentos é o ex-jogador Zico. O eterno ídolo do Flamengo tem gente em Belém trabalhando no projeto. Segundo o secretário de obras Pedro Paulo Bezerra, Zico está programando visita a Marituba para tratar pessoalmente do assunto junto às autoridades do município. Outro projeto de futebol em Marituba, já com avançada estrutura do Centro de Treinamentos, é de um grupo de empresários paraenses que está fundando a Desportiva Paraense, um clube que está surgindo nas categorias de base e em breve vai ter seu time profissional.
 


Invasores de terreno em Marituba são expulsos pela Polícia Militar

 


CONFLITO


Ocupantes se queixam de truculência da PM, que nega a acusação


Um grupo de 100 pessoas, entre adultos e crianças, invadiu por volta das 17h30 de ontem um terreno de 222 por 200 metros em Marituba, próximo à rodovia BR-316. No começo da tarde, eleas foram retiradas do local por soldados da Ronda Tática Metropolitana (Rotam). Insatisfeitos com o procedimento dos policiais militares, os ocupantes do terreno, de propriedade de Eliakim Diniz, tentaram interditar essa rodovia federal, mas foram contidos pela Rotam, juntamente com o efetivo do 21º Batalhão de Polícia Militar. Dois homens: Antônio José dos Santos Silva e Jaime Jair Gomes, foram conduzidos pela Rotam até a Seccional de Maituba, acusados de serem os líderes da ocupação do terreno, que estaria destinado a um projeto de exploração de água mineral. Os dois acusados, como informou o delegado Odon Muniz, de plantão naquela unidade policial, irão responder por esbulho, desobediência, resistência e desacato.


No começo da noite, os manifestantes seguiam posicionados diante do efetivo da PM na rua da Pirelli, às proximidades da área em questão. Mas, depois, decidiram desocupar a via pública, para reivindicar seus direitos depois do carnaval. Os manifestantes denunciaram que os policiais agiram com violência para desocupar o terreno. O capitão Éricles Araújo, que coordenou o efetivo da Rotam, informou que "famílias das proximidades dessa área ocuparam o local e como o proprietário do terreno ajuizou uma ação civil para reaver a área dele e um despacho da Justiça para evitar a presença de estranhos no local, nós comparecemos ao local para retirar os ocupantes, com base nessa sentença judicial. Depois que eles deixaram o local, tentaram interditar a BR-316, mas nós nos posicionamos impedindo essa ação, com apoio do 21º BPM, sob comando do major Galdino". O capitão informou que cinco guarnições em viaturas da Rotam foram mobilizadas para conter a manifestação dos ocupantes.


Na Seccional de Marituba, onde compareceu após verificar a situação no terreno, o dono da área, Eliakim Diniz, declarou que acionou a PM porque possui a documentação de propriedade do imóvel: escritura do terreno, um interdito resgatando o direito de posse da área e proibindo o acesso ao terreno, expedido pela 1ª Vara de Ananindeua. Ele disse que desde outubro do ano passado, pessoas tentam invadir a área.


Antes de deixar o local, uma das lideranças dos ocupantes do terreno, Francisca Marinho Alves, afirmou que a invasão ocorreu porque o terreno estava desocupado. "Não vimos nehhum documento do dono, não tem título definitivo no Iterpa", declarou Francisca. Segundo ela, a polícia agiu de forma truculente, com fuzil. "(A polícia) quase mata uma criança, derramou comida, quebrou carro de bebê", acusou a mulher, que também disse ter sido xingada por policiais militares. O comandante do efetivo da Rotam negou a ação violenta da PM e destacou que não há prova de tiros tenham sido disparados, como um deles chegou a afirmar. Por volta das 20horas, os moradores começaram a se dispersar na rua da Pirelli.

AVALIAÇÃO

0 Comentários:

Postar um comentário